Ana Lucia Teixeira Curiosidades Vinhos

Manzwine, vinhos portugueses com criador brasileiro

Ana Lucia Teixeira
Escrito por Ana Lucia Teixeira
[et_pb_section bb_built=”1″][et_pb_row][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text _builder_version=”3.18.2″]

Olá amigo(a) vinhólatra que assim como eu, gosta de saber um pouco mais sobre o que degusta, quero contar um pouco sobre os vinhos da manzwine, uma vinícola localizada no Oeste de Portugal com cérebro brasileiro. Tudo começou em 2004 quando o jovem brasileiro, André Manz, formado em Educação Física, mudou-se com sua família para a Vila Cheleiros… Um brasileiro que jogava futebol em Taubaté se atreveu a sonhar e influenciado pelos costumes, beleza e pessoas do lugar, resgatou a uva Jampal e hoje é o único produtor de bons vinhos dessa beldade. Ele alega ter começado pensando em consumo próprio e para os amigos, tanto que o lema era e é: “Não queremos fazer muito vinho, queremos fazer bom vinho!” E a coisa deu tão certo pessoal, que hoje, produz vinhos na região de Lisboa, Douro e Península de Setúbal, exportando para 24 países. Conta com 2 vinhos eleitos entre os 50 Melhores Vinhos de Portugal. Além disso, tem diversas premiações internacionais e o reconhecimento pela fantástica relação qualidade/preço. A Manz Wine é atualmente, o único produtor do mundo a fazer um vinho certificado 100% Jampal.

Curiosidades sobre os vinhos

Os rótulos reserva estampam sempre um animal, esses variam de acordo com a safra. Para colecionadores é um verdadeiro achado.
O vinho branco Dona Fátima é um verdadeiro tesouro e leva o nome da sogra de André. Tesouro pela sogra? Não…mas por ser da uva branca, quase extinta, a Jampal. Um vinho para beber sentado e com requintes de deleite, pois de joelhos vai ser desconfortável obvio. E acredite meu amigo, esse vinho merece toda uma pompa e apreço ao ser degustado. Vinhaço, principalmente para quem gosta de vinhos brancos com complexidade e frescor.
Tive também o prazer de degustar o espumante dessa mesma casta de produção limitada, diga-se de passagem, é mastigável. Gastronômico, complexo, com frescor inigualável, aroma de brioche, perlage fina e delicada.

Entre outros rótulos MANZ, me chamou muito a atenção pela qualidade/custo beneficio, o Manz Contador de Estórias, que tem esse nome em homenagem ao próprio André, que adora contar estórias. Um vinho bem interessante, de corpo volumoso, acidez equilibrada, taninos bem presente, porem com elegância. Final de boca longo e persistente. Uma ótima opção para acompanhar carnes vermelhas. Minha dica? Provem todos, pois do simples até o mais estruturado todos são excelentes, cada um tem seu lugar e momento. Concluo esse texto acreditando que o Brasil esta cada vez mais incluso no mundo dos vinhos e acredito que muito em breve seremos destaque nessa arte.

 

 

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_gallery _builder_version=”3.18.2″ gallery_ids=”1339,1340,1341,1342″ zoom_icon_color=”#2ea3f2″ hover_overlay_color=”rgba(255,255,255,0.9)” hover_icon=”%%99%%” show_title_and_caption=”off” /][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Sobre o autor(a)

Ana Lucia Teixeira

Ana Lucia Teixeira

Sou Ana,
WSET level 2 Award in Wines and Spirits,
ISG Intermediate wine
Expert des vins de Provence.
Sou mãe, feliz,licenciada em letras e educação física, apaixonada por vinhos, amigos, livros, boa gastronomia e atividade física. Wine influencers dona do perfil @anawine_ no Instagram. Meu interesse? Aprender, compartilhar conhecimento e provar novos rótulos sempre.